sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Se for para adorar, que seja em espírito e em verdade...


Quem foi que disse, que para adorar a Deus é preciso estar dentro de uma igreja, cercado de pessoas em atitude reverente? Há pessoas que acreditam que esse é o único ambiente propício para orar e adorar. Pois na maioria das vezes, se torna um ambiente "carregado" de um envolvimento emocional promovido pela expectativa de milagres, profecias, manifestações, etc.

Ao analisarmos o texto de Jo 4, Jesus em nenhum momento ao falar com a mulher samaritana, se refere à aparência do adorador, nem a sua postura física em que deve adorar, mas sim, o posicionamento do seu coração. Deus só está se preocupando para a essência do louvor que é prestado a Ele. E isso, sem dúvida, é íntimo e pessoal. Cada um reage de um jeito, mas todos devem adorar em espírito e em verdade.

A Adoração deve ser o primeiro ato da natureza de um cristão. Adorar ao Senhor é reconhecê-Lo como Senhor e Salvador. "Adorarás o Senhor teu Deus, e só a Ele prestarás culto" (Lc 4,8), diz Jesus, citando o livro do Deuteronômio (6,13).

Adorar a Deus no respeito e na submissão absoluta, é reconhecer os direitos soberanos que Ele tem sobre nós, reconhecer que sem Ele nada somos. Adorar a Deus é reconhecer o Seu senhorio sobre as nossas vidas, louvá-Lo, exaltá-Lo e humilhar-se a si mesmo, confessando com gratidão que Ele fez grandes coisas e que Santo é o Seu nome.

Meu pai, o pastor João Adel, em um de seus sermões mais marcante, ele pregou sobre a história de Cornélio, um homem temente a Deus, piedoso, que fazia muitas esmolas e orava com fervor (At 10.2). A ênfase que meu pai deu no texto, era que as esmolas de Cornélio faziam "barulho" diante de Deus. Meu pai disse que Cornélio tinha um coração de adorador baseado na afirmação do apóstolo Pedro que diz: "Cornélio, a tua oração foi ouvida, e as tuas esmolas, lembradas na presença de Deus" (10.31).

A experiência espiritual de Cornélio só foi completa, após ouvir a pregação apostólica a respeito de Jesus de Nazaré (10.34-43). E Deus providenciou para que esta pregação alcançasse Cornélio e toda a sua casa. O texto deixa claro que Deus se deixar encontrar, a todo homem que O procura, que O busca e que O adora, em espírito e em verdade.

Estamos vivendo em tempos que a falta de conhecimento de Deus, tem levado muitas pessoas a adorarem quem não conhecem. Pregamos, adoramos, louvamos, oramos mas não sabemos a quem verdadeiramente destinamos. Estamos como os discipulos no mar da Galiléia : "Quem é este, que até os ventos e o mar o obedecem?

Senhor, se for pra Ti adorar, que seja em espírito e em verdade!

Daniela Zeidan

terça-feira, 21 de julho de 2009

Diálogo Inter-religioso


Quero começar este post, dizendo que é importante salientar que tolerância religiosa não significa concordância religiosa. Tenho as minhas convicções de fé e estas são imutáveis. Mas, mesmo sabendo que a tolerância é produto de divergências, isso não nos impede como cristãos, de nos relacionarmos com respeito com as pessoas de outras religiões. Jesus convidou seus discípulos para baixarem a espada. O evangelho de Cristo é democrático e tolerante. O cristão que sai por aí, depredando e destruindo templos que não professam a mesma fé, está equivocado em relação ao evangelho. A nossa missão é pregar o evangelho, orar e interceder ao Pai, pela salvação dos que não O conhecem. Isso sim, é um dever cristão! Mas muito mais do que palavras, as pessoas precisam ver em nós principalmente atos, que dêem testemunho do verdadeiro amor de Cristo, que conforme diz a Bíblia em I Coríntios 13 é: paciente, benigno, não arde em ciúmes, não se ufana nem se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não se exaspera nem se ressente do mal. A igreja evangélica, a exemplo de Jesus, deve demonstrar este amor para o mundo.

Daniela Zeidan
(Foto: Abertura da VI Feira Preta - Nov/2007)

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Michael Jackson além da música e da dança ...


Polêmicas à parte, é indiscutível o peso deste mito, que mudou o mundo com a música, dança e estilo... Perdemos o rei do pop! Mas não quero aqui neste post focar o lado talentoso do Michael Jackson, pois este é notório.... O que me chama a atenção na sua história de vida, é a ausência da base familiar, o que nos leva a uma reflexão sobre a importância da familia em nossas vidas.... O Michael nasceu numa família pobre, desestruturada, porém obteve sucesso, dinheiro, e fama... Ainda na infância, conquistou o mundo inteiro, mas não obteve aquilo que seu coração sempre almejou, ou seja, amor familiar. E junto com esta ausência, veio a solidão, o abandono, a rejeição de si mesmo. Viveu num mundo imaginário... Tentou eternizar uma infância que nunca teve... Morreu infeliz apesar de ter feito tudo que muitos acreditam, que o dinheiro pode fazer para alguém se tornar feliz... Michael esqueceu de um pequeno detalhe... Não importa o tanto de dinheiro e fama que você tenha, sem Deus será sempre só nesse mundo materialista... Pois no coração do homem, há um vazio que é do tamanho de Deus... Busque a Deus e dê valor a sua familia e serás muito feliz.


Daniela Zeidan

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Um chamado


“O Espírito do Senhor Deus está sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar as boas-novas aos pobres. Enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e abertura de prisão aos presos, a apregoar o ano aceitável do Senhor, e o dia da vingança do nosso Deus, a consolar todos os tristes, e ordenar acerca dos tristes de Sião que se lhes dê ornamento por cinza, óleo de alegria por tristeza, veste de louvor por espírito angustiado”. Isaías 61

sábado, 27 de junho de 2009

O evangelho quebra preconceito

Na Bíblia encontramos explícito na igreja que Jesus Cristo estabeleceu, que tanto um escravo, um gentio, assim como uma mulher, poderiam ocupar cargo de liderança. Isso é uma das grandes dádivas trazida pelo evangelho, algo que não se encontra nas culturas antigas. Na atualidade, é senso comum que a escravidão é algo inaceitável, que o preconceito racial e cultural é inaceitável, principalmente dentro da Igreja, mas ainda há líderes que não aplicam o mesmo princípio quanto à mulher. É delicado debater esse assunto em nossos púlpitos, eu diria até perigoso, mas entendo que perigoso é ignorar o preconceito.

I Encontro Nacional de
Negras e Negros Cristãos - Salvador - BA - Abril/2007




terça-feira, 23 de junho de 2009

Família


A família representa um grupo social primário que influencia e é influenciado por outras pessoas e instituições. É um grupo de pessoas, ou um número de grupos domésticos ligados por descendência (demonstrada ou estipulada) a partir de um ancestral comum, matrimónio ou adoção. Nesse sentido o termo confunde-se com clã. Dentro de uma família existe sempre algum grau de parentesco. Membros de uma família costumam compartilhar do mesmo sobrenome, herdado dos ascendentes diretos. A família é unida por múltiplos laços capazes de manter os membros moralmente, materialmente e reciprocamente durante uma vida e durante as gerações. Mas acredito que mais importante do que a definição do que é família, é saber quem a criou. A família foi criada por Deus, em todos os povos, atravessou todos os tempos e chegou inteira até nós no século XXI. Só uma instituição de Deus tem esta força. Ninguém jamais destruirá a força da família por ser ela uma instituição divina. Apresento aqui a minha família abençoada. Da esquerda para a direita Eu, minha irmã Jamile, meu irmão Caleb, minha mãe Suécia (apelidada carinhosamente de Tuca) e meu pai João Adel. Esta foto eternizou uma noite maravilhosa, saimos como familia para nos divertir e comemorar o aniversário de 50 aninhos da minha mãe... Vida Longa a Tuquinha, Vida Longa Familia Zeidan

terça-feira, 16 de junho de 2009

Ser livre

Ninguém escraviza um povo, que conhece a verdade.
Daniela Zeidan

Music & Arts in Action

"O evangelho não pode ficar dentro de 4 paredes, ele tem que ultrapassar fronteiras".
Daniela Zeidan

FROM CONSCIOUSNESS TO ACTION

The embrace of the narratives I have outlined here were frequently associated, I found, with other, more politicized views about what ought to be done collectively by evangelical Christians to improve the lives of Afro-Brazilians. Among the Black gospel artists I got to know, fully three quarters expressed strong agreement with one or more of the following: the need to develop a Black Christian theology; the desirability of creating a church with Black leadership; the importance of getting the church to teach Black history and nurture Black sel-esteem; the need for churches to advocate race-based afirmative action; and the desirability of black Christians to make purchases from black-owned busines Furthermore, as the Black evangelical movement in Brazil continues to grow, Black gospel artists seem to be playing an increasingly important role in shaping and directing it. Between 2002 and 2005, I tracked three groups of black gospel singers who organized evening study groups in witch they discussed the interconnections between the Bible, social history, and slave resistence. Every year one church that is home to a major black gospel choir hosts a major teach-in about the connection between black music and the civil rights movement in the US. Several networks of black gospel singers created web-pages devoted to “Blacks in the Bible” and “Black heroes”. The Pão da Vida church, home of several black gospel singing groups, regularly organizes educational forums on racism, Black in the church, and buying from Black-owned businesses. In 2007 and 2008, leading black gospel singers could be found in the forefront in organizing the annual march for Black consciousness in São Paulo. Sergio Mello, a singer of gospel blues who built a church around a Black choir, used his pulpit to proclaim the virtues of afirmative action, the valorization of Black beauty, support for Black entrepreneurs, and nurturance of Black leadership. In the fall of 2005, he led a march of evangelicals to a downtown mail in São Paulo to protest the racially-motivated discrimination against a black musician. The minister of music of Pão de Vida, Daniela Zeidan, increasingly appears in inter-organizational forums to speak out about the need of evangelical Christians to take a stand against racism.


Music & Arts in Action -
Collective Identity and Racial Thought in São Paulo's Black Gospel Music Scene
JOHN SAMUEL BURDICK
Department of Anthropology Syracuse University USA
Music and Arts in Action/John samuel Burdick 2009 ISSN:1754-7105 Page 23-24
Music and Arts in Action www.musicandartsinaction.net/saopaulogospel

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Uma liderança que me inspira...

video

O Povo está faminto e sedento!

"Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos"

Essa bem aventurança se faz presente na alma de cada brasileiro, pois em nosso país o povo tem fome não apenas de pão, mas de educação, saúde, segurança, moradia e emprego. Está sedento de justiça social, distribuição de renda. Faminto por ética e valores humanitários. Carente de dignidade humana, de acolhimento e fraternidade. Necessitado de oportunidades e desenvolvimento humano.